quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

JORNAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA



A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA


Mirna Moreira Batista
Janeiro de 2014

       Todos nós sabemos da importância de fazer uma atividade física, de se manter ativo e participar das aulas de Educação Física na escola. Ouvimos da importância na escola, nos jornais, nas rádios, nas novelas, na internet, dos nossos familiares e amigos, até nas rodas de conversar. Mas o que falamos e pensamos está longe daquilo que praticamos na escola, infelizmente! Parece estranho, mas não é difícil encontrarmos na escola, alunos e alunas que têm resistência das aulas práticas, ou dizem que não gostam, ou dificuldade de sentir incluído nas aulas. Do ponto de vista dos alunos, a disciplina de Educação Física é só esporte, principalmente a partir do 6º ano. O que faz o aluno perder a oportunidade de conhecer e vivenciar outras práticas da cultura corporal.


Atualmente a prática do esporte não é exclusiva da escola, pode ser praticada em qualquer lugar, no clube, na rua, no parque, na praça ou no quintal. As experiências que temos com o esporte ainda está muito reforçada na competição e no individualismo. As outras atividades, como o pique pega, a corrida, a amarelinha, a ginástica, a dança, o atletismo, o alongamento são colocados em momento de isolados e sem contexto, apenas para um aquecimento.

É uma realidade mais comum que imaginamos. Ainda vemos o professor desperdiçar o tempo da aula, dando uma bola aos alunos, para que eles joguem apenas o futebol e vôlei. O que provoca a exclusão dos outros alunos que não tem habilidade, não gostam de esporte, não sabem jogar ou até mesmo as meninas. Ainda exite muitos profissionais que não se preocupam em motivar ou incentivar nos alunos a vontade de superar seus medos, sua vergonha e seus pré – conceitos sociais. A educação física não se resume ao modelo esporte de alto rendimento, para formação futuros atletas.

A escola é um espaço privilegiado do aprendizado da cultura corporal. A prática da Educação Física não é engessada a uma única prática esportiva ou um único jeito de praticar e participar das aulas. O mais legal da aula é a inclusão do outro na atividade física, reforçando os laços de amizade e de afeto que fazemos com os amigos e professores. Desse modo, podemos nos sentir importante e participante na sociedade, sem discriminação ou exclusão.

Então, por que a educação física é vista na escola como uma disciplina complementar, menos importante que o português e matemática? Será que a educação física é apenas um momento de relaxar, descontrair, mexer no celular e ficar sem fazer nada? O que leva alguns alunos não gostarem das aulas de educação física? Vamos enumerar alguns pontos de reflexão: 
  • Expectativas diferentes entre professor e aluno. 
  • O professor não ajusta o espaço e material que tem para cada realidade.
  • Professor que não planeja as aulas.
  • Prática exclusiva dos esportes, da competição e da individualidade.
  • Centralidade nas disciplinas ditas intelectuais.
  • O professor acha que os alunos não gostam de aprender conteúdos novos.
  • Modelo tradicional de educação física.
  • Atitudes preconceituosas e excludente.
  • Falta de preparo e interesse do professor.
As aulas podem ser dinâmicas, estimulantes e interessantes. As aulas podem aproximar o que aluno sabe com interesse do professor para alcançar o mesmo objetivo. O professor é mediador do conhecimento, ele auxilia o aluno a ampliar sua experiência, vivência com a cultura corporal. Ele pode inovar e diversificar as aulas, sempre conversando e trocando ideias com o aluno, aliando as expectativas.

A aula de Educação Física é capaz de proporcionar atividades que possibilite o desenvolvimento motor, a socialização, a autonomia, a cooperação e a igualdade. Os exemplos de prática são inúmeras, alguns exemplos são os jogos, a dança, a música, a expressão corporal, a mímica, as gincanas, as leituras, os trabalhos em grupo, as dinâmicas em grupo, no uso de tv, dvd, nas pesquisas individuais, etc. Basta o professor e o aluno serem responsáveis pelo processo de ensino – aprendizado, com seriedade, compromisso e muita criatividade.
Vamos tentar incluir a todos? Esse é o desafio.

Referencial:
BETTI, Irene Conceição Rangel. Esporte na escola: mas é só isso, professor? Revista Motriz: v. 1, n. 1, pg. 25 a 31, junho de 1999.

Exercício de fixação 

01 – Onde ouvimos da importância da educação física para o aluno?

02 – Qual é a associação que o aluno faz com a disciplina de Educação Física?

03 – A prática do esporte é exclusiva da Educação Física Escolar? Porque?

04 – Como fica as outras atividades físicas na escola e quais são?

05 – Quem influência os alunos a pensar que Educação Física na Escola é esporte? E o que acontece quando é desperdiçado a aula com a prática exclusiva do esporte?

06 – Se a aula de Educação Física não é apenas esporte, como podemos mudar essa realidade?

07 – O que leva alguns alunos a não gostarem das aulas de Educação Física?

08 – Como as aulas de Educação Física podem ser desenvolvidas?

09 – Quais são os exemplos de atividades para o desenvolvimento das aulas de Educação Física? O que elas são capaz de proporcionar ao aluno?

10 – Quem são responsáveis pela aula de Educação Física?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

VOLEIBOL: HISTÓRIA, FUNDAMENTOS E REGRAS.

As regras do voleibol começaram simples, com uma corda dividindo a quadra, para evitar o contato físico e diminuir as lesões. Mas foram se...