domingo, 6 de maio de 2018

ATIVIDADE FÍSICA E SUA RELAÇÃO COM A SAÚDE




A prática regular de atividade física sempre esteve associada à imagem de pessoas saudáveis. Não é de se estranhar que atualmente, em virtude principalmente das mudanças geradas pela modernização, o incentivo a prática de atividade física seja uma discussão de grande repercussão em todo o mundo.
A princípio, antes de aprofundarmos as discussões sobre a atividade física e sua relação com a saúde é importante entendermos e atentarmos para o conceito de atividade física. Sendo assim, o que é atividade física? A atividade física pode assim ser definida como qualquer ação ou movimento corporal exercida pelo músculo-esquelético a qual resulte em gasto energético maior do que os níveis de repouso. Em geral os movimentos corporais amplos, como lavar roupa, passear com o cachorro.
A atividade física vem sendo constantemente veiculada e vinculada à obtenção e/ou manutenção da saúde. Não é a toa que alguns males, dentre eles o sedentarismo. Para você ter uma ideia, no Brasil, o sedentarismo é um problema que vem assumindo lugar de destaque e preocupação. As pessoas estão trocando o movimentar diário pelas comodidades da vida moderna, o sedentarismo, que é a falta ou ausência de atividade física regular, atividades que não aumentam consideravelmente o gasto energético acima do nível de repouso, como dormir ou permanecer sentado em frente ao computador, por exemplo.
As pesquisas mostram que a população atual gasta bem menos calorias por dia, do que gastava há 100 anos, o que explica porque o sedentarismo afetaria aproximadamente 70% da população brasileira. O estilo de vida atual pode ser responsabilizado por 54% do risco de morte por infarto e por 50% do risco de morte por derrame cerebral, as principais causas de morte em nosso país. Assim, podemos observar e compreender que a discussão sobre atividade física é um assunto de saúde pública dai a necessidade de estudarmos este tema em nossas aulas.
A prática de atividade física é fundamental para o desenvolvimento adequado quando de crianças, assim como adjuvante no tratamento de doenças crônicas não transmissíveis, como obesidade, hipertensão e diabetes. Na promoção da saúde com atividade física, a OMS (Organização Mundial da Saúde) define saúde como “bem-estar físico, mental e social, e não apenas ausência de doenças ou enfermidades”.

Por que a preocupação com o sedentarismo?
No censo de 2000, mostra que a grande maioria dos países em desenvolvimento, grupo do qual faz parte o Brasil, mais de 60% dos adultos que vivem em áreas urbanas, não praticam um nível adequado de exercício físico.
Em todo o mundo observa-se um aumento da obesidade, que está relacionado com o acúmulo de gordura no corpo causado quase sempre por consumo excessivo de calorias na alimentação, superior ao valor usada pelo organismo para sua manutenção e realização das atividades do dia – a – dia. Ou seja: a obesidade acontece quando a ingestão alimentar é maior que o gasto energético correspondente, associada a falta da prática de atividades físicas, ao longo da vida. É o famoso estilo de vida moderno, no qual a maior parte do tempo livre é passado assistindo televisão, usando computadores, jogando videogames, etc.
Observou-se que as pessoas reduzem, gradativamente, o nível de atividade física, a partir da adolescência e passa adotar estilo de vida sedentário com a ingestão de altas calorias na sua alimentação.

Afinal, o que é Hipertensão arterial e diabetes?
          As doenças crônicas não transmissíveis são as preocupações do setor público de saúde, devido, a baixa qualidade de vida dos pacientes, ao longo da vida. Essas doenças, não matam rápido, como o infarto ou o derrame, elas vão se agravando sem o devido cuidado, e vai debilitando o paciente, deixando – o inválido e dependente dos outros. A hipertensão arterial é uma doença silenciosa, pode variar de acordo com a gravidade, apresenta constante variação de pressão arterial e de forma sistemática, está relacionada com a força que o sangue faz contra as paredes das artérias para conseguir circular por todo o corpo. Os valores da pressão arterial não são sempre os mesmos durante o dia. Geralmente caem, quando dormimos ou estamos relaxados, e sobem com a atividade física, agitação, estresse.
            Já a diabetes adquirida ao longo do tempo, é a conhecida do tipo II, afeta a forma como o corpo metaboliza a glicose, principal fonte de energia do corpo. A pessoa com diabetes tipo II pode ter uma resistência aos efeitos da insulina (hormônio que regula a entrada de açúcar nas células) ou não produz insulina suficiente para manter um nível de glicose normal. Quando não tratado, o diabetes pode ser fatal.

Quais são os benefícios dos exercícios físicos?
A prática regular de exercícios físicos acompanha-se de benefícios que se manifestam sob todos os aspectos do organismo. O exercício físico se diferencia da atividade física. Do ponto de vista músculo-esquelético, o exercício físico é uma seqüência sistematizada, planejada, orientada, estruturada e repetitiva de movimentos que tem como objetivo pré-definido ou intermediário melhorar ou manter a saúde/aptidão física, como por exemplo, o treinamento desportivo. O exercício físico auxilia na melhora da força, do tônus muscular e da flexibilidade, além disso, fortalecimento dos ossos e das articulações.
Com relação à saúde física, observamos perda de peso e do percentual de gordura corporal, redução da pressão arterial em repouso, controle do nível de açúcar no sangue, diminuição do colesterol total e aumento do HDL-colesterol (o "colesterol bom"). Todos esses benefícios auxiliam na prevenção e no controle de doenças, sendo importantes para a redução da mortalidade associada a elas.
Além disso, a prática regular de exercício físico ajuda a melhorar o fluxo de sangue para o cérebro; ajuda na capacidade de lidar com problemas e com o estresse podendo assim exercer, também, efeitos no convívio social do indivíduo, tanto no ambiente de trabalho quanto no familiar.

Como é feita a escolha da atividade física adequada?
A escolha pode ser feita individualmente, levando-se em conta os seguintes fatores:

Preferência pessoal: o benefício da atividade só é conseguido com a prática regular da mesma, e a continuidade depende do prazer que a pessoa sente em realizá-la. Assim, não adianta indicar uma atividade que a pessoa não se sinta bem praticando.

Aptidão necessária: algumas atividades dependem de habilidades específicas. Para conseguir realizar atividades mais exigentes, a pessoa deve seguir um programa de condicionamento gradual, começando de atividades mais leves.

Risco associado à atividade: alguns tipos de exercícios podem associar-se a alguns tipos de lesão, em determinados indivíduos que já são predispostos. O ideal é buscar orientação de um professor de Educação Física para evitar o risco de lesão ou algum outro tipo de problema.

Referência:










Nenhum comentário:

Postar um comentário

VOLEIBOL: HISTÓRIA, FUNDAMENTOS E REGRAS.

As regras do voleibol começaram simples, com uma corda dividindo a quadra, para evitar o contato físico e diminuir as lesões. Mas foram se...